segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Fotos do Jantar


Álbum do Facebook:

JANTAR EM PROL DA CASA DE FORMAÇÃO DOS EUDISTAS

Paroquianos de São João Eudes, localizado no bairro Luciano Cavalcante, a Congregação Jesus e Maria, conhecida como congregação dos padres “eudistas” e seus associados      promoveram, no Buffet Full Time, no bairro Edson Queiroz, um jantar em prol da Casa de Formação, que  , abriga seminaristas. 

O jantar-adesão contou com número significativo fiéis católicos,especialmente paroquianos e convidados, que lotaram as dependências do buffet .  
Na noite, foram leiloados dois quadros doados por artistas plásticos e um deles foi arrematado pelo Rivaldo e sua esposa. O Bruno fez a entrega do peça. 

SHOW
Antes do jantar os padres Amado, superior geral da congregação Jesus e Maria no Brasil; o pároco Luís Gabriel e João Carlos, que é o vigário paroquial, formaram um trio e ficaram cantando e tocando músicas colombianas, o que agradou a todos que compareceram ao jantar.

Antes da apresentação e do jantar, o pároco Luís Gabriel agradeceu a todos os presentes e informou que a arrecadação seria “para manutenção da Casa de Formação dos Eudistas”. 

O pároco Luís Gabriel fez um agradecimento a todos e informou o destino da arrecadação, que será "para a manutenção da Casa de Formação".
 

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

"Anjos da guarda existem, ouçamos sua voz!”, diz Papa

No dia em que a Igreja celebra os Santos Anjos da Guarda, Papa convidou fiéis a pensar no relacionamento com esse “companheiro de caminho”
Da Redação, com Rádio Vaticano
Os anjos da guarda existem, não são uma doutrina fantasiosa, mas companheiros que Deus colocou ao lado do homem no caminho da vida. Foi o que disse o Papa Francisco na homilia desta quinta-feira, 2, na Casa Santa Marta, no dia em que a Igreja celebra a memória dos Santos Anjos da Guarda.
Francisco fala dos anjos da guarda como companheiros que Deus enviou para a vida humana / Foto: L'Osservatore Romano
Francisco fala dos anjos da guarda como companheiros que Deus enviou para a vida humana. / Foto: L’Osservatore Romano
As leituras do dia apresentam duas imagens: o anjo e o menino. Deus colocou um anjo ao lado do homem para protegê-lo. “Se alguém aqui acredita que pode caminhar sozinho, engana-se muito, cai no erro da soberbia, acredita ser grande e autossuficiente”.
Francisco explicou que Jesus ensinou aos apóstolos ser como as crianças. Os discípulos brigavam para ver quem era o maior entre eles, mas Jesus ensinava a atitude das crianças, que é a docilidade, a necessidade de conselho, de ajuda. Este é o caminho, não se trata de quem é maior, disse o Papa. Segundo ele, os que se aproximam dessa atitude de uma criança estão mais próximos da contemplação do Pai, escutam com o coração aberto e dócil o anjo da guarda.
“Todos nós, segundo a tradição da Igreja, temos um anjo conosco, que nos guarda, nos faz ouvir as coisas. Quantas vezes ouvimos: ‘Deveria fazer isso, assim não, tenho que ficar atento…’ Muitas vezes! É a voz do nosso companheiro de viagem. Temos de nos assegurar que ele nos levará até o fim de nossa vida com seus conselhos, temos de dar ouvidos à sua voz, não nos rebelar, pois a rebelião, o desejo de ser independente todos nós o temos: é a soberba”.
Assim sendo, ninguém caminha sozinho e não pode pensar que está só, porque pode contar com esse “companheiro”. Expulsá-lo é uma atitude perigosa, ressaltou Francisco, porque ninguém pode aconselhar a si mesmo.
“O Espírito Santo me aconselha, o anjo me aconselha. O Pai disse: ‘Eu mando um anjo diante de ti para guardar-te, para te acompanhar no caminho, para que não erres’. (…) Hoje eu pergunto: como está minha relação com o meu anjo da guarda? Eu o escuto? Digo-lhe ‘bom dia’? Peço-lhe para velar meu sono? Falo com ele? Peço conselhos? O anjo está ao meu lado!”.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

PADRE JUAN CARLOS MUDA DE IDADE




Um Grupo significativo de paroquianos de São João Eudes, no bairro Luciano Cavalcante, prestou uma homenagem, na noite de ontem, na Casa de Formação dos Padres Eudistas, ao padre Juan Carlos, que estava mudando de idade.


Os paroquianos organizaram um jantar-adesão e uma missa que foi  presidida pelo padre Juan Carlos e concelebrada pelos padres Amado Vanegas, Luiz Gabriel e Camilo Bernal, Superior Geral dos “Eudistas”, que está em Fortaleza visitando os padres, seminaristas, a Paróquia e as capelas Menino Deus, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Santa Luzia, Divina Misericórdia e Nossa Senhora da Libertação.

DEPOIS

Tão Logo terminou o jantar, algumas pessoas e o padre Amado Vanegas mostraram as qualidades do aniversariante, como a Olga, que representou a Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e a Pastoral Eclesial dizendo que “a vida possui inúmeros caminhos a serem percorridos e desvendados por aqueles que necessitam de uma companhia agradável para compartilhar”. Fez uma pausa e acrescentou que “A conquista de seus sonhos e ideais sejam constantes e que Deus transforme cada um de seus momentos, em instantes mágicos e inesquecíveis”. E terminou afirmando que “Aniversário é uma data para ser comemorada com muita alegria e emoções, por todos que tem o prazer de conviver e partilhar cada dia com alguém tão importante como o Senhor, Padre Juan”.
Em seguida, o seminarista José Adovaldo disse que “hoje é um dia especial, de rezarmos especialmente por alguém que se faz presente em nossas vidas, que sempre tem uma palavra amiga, uma mensagem de encorajamento, um abraço afetivo, olhar afetuoso e mãos estendidas para nos oferecer.  Ele deixou tudo para se entregar ao Serviço de Deus. É a mais  bela resposta de amor que alguém pode dar ao amor Daquele que morreu por nós, o sacerdote Maior: Nosso Senhor Jesus Cristo! Ao entregar-se nas mãos de Deus, como instrumento, para ser usado por Ele, como e onde Ele quiser, o padre se faz o próprio Cristo, que entregou a sua vida por amor ao que é do Pai! Parabéns pelo seu Dia!. Pois desejo que o Senhor  Ilumine sempre seus passos!. E muito obrigado”

AMADO

  O padre Amado, Superior dos “Eudistas” no Brasil, também fez rasgados elogios ao aniversariante, que percorreu alguns países para vir servir na Paróquia São João Eudes, em Fortaleza. Ao entrar em nosso país, primeiramente, esteve em Salvador, na Bahia e chegou ao Ceará para ser vigário e vem agradando aos paroquianos, que o elogiam pela sua alegria, “para ele todo tempo é bom. É um bom conselheiro e nasceu para ser sacerdote”, comentou um paroquiano.

Em seguida, todos cantaram “Parabéns pra você” e ele cortou o bolo e repartiu para todos os presentes.



segunda-feira, 29 de setembro de 2014

SUPERIOR GERAL DOS PADRES “EUDISTAS” ESTÁ EM FORTALEZA

O padre Camilo Bernaldo, Superior Geral dos padres Eudistas, encontra-se em Fortaleza para uma visita aos sacerdotes da congregação em Fortaleza, que tem como superior o padre Amado Vanegas Gomes.
Hoje, ele se reuniu com o coordenador e fundador da Comunidade Shalom, Moysés Azevedo e hoje, às 18h30, preside uma celebração eucarística na Casa de Formação dos “Eudistas”, no bairro Luciano Cavalcante.
Amanhã, o padre Camilo Bernaldo celebrará uma missa, às 7 horas, na Face de Cristo e, logo em seguida, terá um encontro com o fundador e moderador daquela comunidade, Aluízio Nóbrega.
De Fortaleza, o Superior Geral dos “Eudistas” seguirá para Assunção, no Paraguai. Ele é o primeiro padre colombiano a chegar à condição de Superior Geral.
ANIVERSÁRIO

Hoje, dia 29 de setembro,  na Casa de Formação dos “Eudistas”, os paroquianos de São João  Eudes participam de um jantar-adesão e da missa, às 18h30,  em ação de graças por mais um ano de vida do padre Juan Carlos. 

Pascom - Primeira Comunhão - 28-09-2014

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Papa pede “globalização da caridade” para lidar com migrações

Santo Padre escreveu mensagem para Dia Mundial do Migrante e do Refugiado destacando medidas para humanizar as condições dos migrantes
Jéssica Marçal
Da Redação
Francisco pede empenho para humanizar situação dos migrantes e dos refugiados / Foto: Arquivo
Francisco pede empenho para humanizar situação dos migrantes e dos refugiados / Foto: Arquivo
O Vaticano divulgou nesta terça-feira, 23, a mensagem do Papa Francisco para o próximo Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, data que será comemorada em 18 de janeiro de 2015. Além de voltar a enfatizar a necessidade da cultura do encontro, o Papa pede uma “globalização da caridade e da cooperação” para lidar com a globalização do fenômeno da migração.
Retomando o tema da mensagem, “Igreja sem fronteiras, mãe de todos”, o Santo Padre destaca que a Igreja acolhe todos os povos e que Jesus convida todos a cuidar das pessoas mais frágeis.
Francisco traça um panorama da realidade atual das migrações, dando ênfase para o grande número de pessoas que deixa sua terra natal em busca de melhores condições de vida. Não raras são as ocasiões em que os movimentos migratórios despertam desconfiança e hostilidade, inclusive nas comunidades eclesiais, o que entra em contraste com o mandamento bíblico de acolher, com respeito e solidariedade, as pessoas necessitadas.
“Jesus Cristo está sempre à espera de ser reconhecido nos migrantes e refugiados, nos deslocados e exilados e, assim mesmo, chama-nos a partilhar os recursos e por vezes a renunciar a qualquer coisa do nosso bem-estar adquirido”, afirma na mensagem.
Como forma de assegurar o convívio harmônico nessa sociedade com intenso fluxo migratório, o Papa indica, novamente, a cultura do encontro para superar fronteiras. Ele também defende a colaboração concreta envolvendo Estados e Organizações Internacionais para gerir eficazmente os movimentos migratórios.
“À globalização do fenômeno migratório é preciso responder com a globalização da caridade e da cooperação, a fim de se humanizar as condições dos migrantes. Ao mesmo tempo, é preciso intensificar os esforços para criar as condições aptas a garantirem uma progressiva diminuição das razões que impelem populações inteiras a deixar a sua terra natal devido a guerras e carestias, sucedendo muitas vezes que uma é causa da outra”.
Francisco termina o texto deixando uma mensagem de esperança a todos os migrantes e refugiados. “Não percais a vossa confiança e a vossa esperança! Pensemos na Sagrada Família exilada no Egito: como no coração materno da Virgem Maria e no coração solícito de São José se manteve a confiança de que Deus nunca nos abandona, também em vós não falte a mesma confiança no Senhor”.

Mensagem do Papa para Dia Mundial do Migrante e do Refugiado

brasão_papafrancisco
MENSAGEM

Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado – 18 de janeiro de 2015
Terça-feira, 23 de setembro de 2014
Boletim da Santa Sé
Igreja sem fronteiras, mãe de todos
Queridos irmãos e irmãs!
Jesus é «o evangelizador por excelência e o Evangelho em pessoa» (Exort. ap. Evangelii gaudium, 209). A sua solicitude, especialmente pelos mais vulneráveis e marginalizados, a todos convida a cuidar das pessoas mais frágeis e reconhecer o seu rosto de sofrimento sobretudo nas vítimas das novas formas de pobreza e escravidão. Diz o Senhor: «Tive fome e destes-Me de comer, tive sede e destes-Me de beber, era peregrino e recolhestes-Me, estava nu e destes-Me que vestir, adoeci e visitastes-Me, estive na prisão e fostes ter comigo» (Mt 25, 35-36). Por isso, a Igreja, peregrina sobre a terra e mãe de todos, tem por missão amar Jesus Cristo, adorá-Lo e amá-Lo, particularmente nos mais pobres e abandonados; e entre eles contam-se, sem dúvida, os migrantes e os refugiados, que procuram deixar para trás duras condições de vida e perigos de toda a espécie. Assim, neste ano, o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado tem por tema: Igreja sem fronteiras, mãe de todos.
Com efeito, a Igreja estende os seus braços para acolher todos os povos, sem distinção nem fronteiras, e para anunciar a todos que «Deus é amor» (1 Jo 4, 8.16). Depois da sua morte e ressurreição, Jesus confiou aos discípulos a missão de ser suas testemunhas e proclamar o Evangelho da alegria e da misericórdia. Eles, no dia de Pentecostes, saíram do Cenáculo cheios de coragem e entusiasmo; sobre dúvidas e incertezas, prevaleceu a força do Espírito Santo, fazendo com que cada um compreendesse o anúncio dos Apóstolos na própria língua; assim, desde o início, a Igreja é mãe de coração aberto ao mundo inteiro, sem fronteiras. Aquele mandato abrange já dois milénios de história, mas, desde os primeiros séculos, o anúncio missionário pôs em evidência a maternidade universal da Igreja, posteriormente desenvolvida nos escritos dos Padres e retomada pelo Concílio Vaticano II. Os Padres conciliares falaram de Ecclesia mater para explicar a sua natureza; na verdade, a Igreja gera filhos e filhas, sendo «incorporados» nela que «os abraça com amor e solicitude» (Const. dogm. sobre a Igreja Lumen gentium, 14).
A Igreja sem fronteiras, mãe de todos, propaga no mundo a cultura do acolhimento e da solidariedade, segundo a qual ninguém deve ser considerado inútil, intruso ou descartável. A comunidade cristã, se viver efectivamente a sua maternidade, nutre, guia e aponta o caminho, acompanha com paciência, solidariza-se com a oração e as obras de misericórdia.
Nos nossos dias, tudo isto assume um significado particular. Com efeito, numa época de tão vastas migrações, um grande número de pessoas deixa os locais de origem para empreender a arriscada viagem da esperança com uma bagagem cheia de desejos e medos, à procura de condições de vida mais humanas. Não raro, porém, estes movimentos migratórios suscitam desconfiança e hostilidade, inclusive nas comunidades eclesiais, mesmo antes de se conhecer as histórias de vida, de perseguição ou de miséria das pessoas envolvidas. Neste caso, as suspeitas e preconceitos estão em contraste com o mandamento bíblico de acolher, com respeito e solidariedade, o estrangeiro necessitado.
Por um lado, no sacrário da consciência, adverte-se o apelo a tocar a miséria humana e pôr em prática o mandamento do amor que Jesus nos deixou, quando Se identificou com o estrangeiro, com quem sofre, com todas as vítimas inocentes da violência e exploração. Mas, por outro, devido à fraqueza da nossa natureza, «sentimos a tentação de ser cristãos, mantendo uma prudente distância das chagas do Senhor» (Exort. ap. Evangelii gaudium, 270).
A coragem da fé, da esperança e da caridade permite reduzir as distâncias que nos separam dos dramas humanos. Jesus Cristo está sempre à espera de ser reconhecido nos migrantes e refugiados, nos deslocados e exilados e, assim mesmo, chama-nos a partilhar os recursos e por vezes a renunciar a qualquer coisa do nosso bem-estar adquirido. Assim no-lo recordava o Papa Paulo VI, ao dizer que «os mais favorecidos devem renunciar a alguns dos seus direitos, para poderem colocar, com mais liberalidade, os seus bens ao serviço dos outros» [Carta ap. Octogesima adveniens (14 de Maio de 1971), 23].
Aliás, o carácter multicultural das sociedades de hoje encoraja a Igreja a assumir novos compromissos de solidariedade, comunhão e evangelização. Na realidade, os movimentos migratórios solicitam que se aprofundem e reforcem os valores necessários para assegurar a convivência harmoniosa entre pessoas e culturas. Para isso, não é suficiente a mera tolerância, que abre caminho ao respeito das diversidades e inicia percursos de partilha entre pessoas de diferentes origens e culturas. Aqui se insere a vocação da Igreja a superar as fronteiras e favorecer «a passagem de uma atitude de defesa e de medo, de desinteresse ou de marginalização (…) para uma atitude que tem por base a “cultura de encontro”, a única capaz de construir um mundo mais justo e fraterno» (Mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado – 2014).
Mas os movimentos migratórios assumiram tais proporções que só uma colaboração sistemática e concreta, envolvendo os Estados e as Organizações Internacionais, poderá ser capaz de os regular e gerir de forma eficaz. Na verdade, as migrações interpelam a todos, não só por causa da magnitude do fenómeno, mas também «pelas problemáticas sociais, económicas, políticas, culturais e religiosas que levantam, pelos desafios dramáticos que colocam à comunidade nacional e internacional» [BENTO XVI, Carta enc. Caritas in veritate (29 de Junho de 2009), 62].
Na agenda internacional, constam frequentes debates sobre a oportunidade, os métodos e os regulamentos para lidar com o fenómeno das migrações. Existem organismos e instituições a nível internacional, nacional e local, que põem o seu trabalho e as suas energias ao serviço de quantos procuram, com a emigração, uma vida melhor. Apesar dos seus esforços generosos e louváveis, é necessária uma acção mais incisiva e eficaz, que lance mão de uma rede universal de colaboração, baseada na tutela da dignidade e centralidade de toda a pessoa humana. Assim será mais incisiva a luta contra o tráfico vergonhoso e criminal de seres humanos, contra a violação dos direitos fundamentais, contra todas as formas de violência, opressão e redução à escravidão. Entretanto trabalhar em conjunto exige reciprocidade e sinergia, com disponibilidade e confiança, sabendo que «nenhum país pode enfrentar sozinho as dificuldades associadas a este fenómeno, que, sendo tão amplo, já afecta todos os continentes com o seu duplo movimento de imigração e emigração» (Mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado – 2014).
À globalização do fenómeno migratório é preciso responder com a globalização da caridade e da cooperação, a fim de se humanizar as condições dos migrantes. Ao mesmo tempo, é preciso intensificar os esforços para criar as condições aptas a garantirem uma progressiva diminuição das razões que impelem populações inteiras a deixar a sua terra natal devido a guerras e carestias, sucedendo muitas vezes que uma é causa da outra.
À solidariedade para com os migrantes e os refugiados há que unir a coragem e a criatividade necessárias para desenvolver, a nível mundial, uma ordem económico-financeira mais justa e equitativa, juntamente com um maior empenho a favor da paz, condição indispensável de todo o verdadeiro progresso.
Queridos migrantes e refugiados! Vós ocupais um lugar especial no coração da Igreja e sois uma ajuda para alargar as dimensões do seu coração a fim de manifestar a sua maternidade para com a família humana inteira. Não percais a vossa confiança e a vossa esperança! Pensemos na Sagrada Família exilada no Egipto: como no coração materno da Virgem Maria e no coração solícito de São José se manteve a confiança de que Deus nunca nos abandona, também em vós não falte a mesma confiança no Senhor. Confio-vos à sua protecção e de coração concedo a todos a Bênção Apostólica.
Vaticano, 3 de Setembro de 2014.
FRANCISCUS

domingo, 21 de setembro de 2014

DE PAGÃO PARA CRISTÃO

10 crianças se batizam, em batismo comunitário realizado na Matriz paroquial. 


Neste domingo, 21, a Igreja Matriz Menino Deus recebeu mais uma vez o sacramento do Batismo, ordenado por 10 crianças de nossa comunidade.

O Batismo comunitário, que se deu após á Santa Missa pela manhã, tão obstante presidida pelo vigário paroquial, padre Juan Carlos, começando por volta de 8h30, teve dois momentos, o primeiro com os pequenos recebendo o óleo batismal, e o outro o batismo tradicional com a água, retratando o batismo de Jesus Cristo, batizado por João Batista no Rio Jordão.

O batismo que foi destinados aos pequenos hoje, confirmaram testemunhados pelos pais, padrinhos e familiares, a confirmação de seguir as mandamentos e dogmas da Igreja Católica Apostólica Romana e de Jesus Cristo, que serão renovados quando estiverem com 15 anos de idade pelos mesmo.  

Reportagem: Matheus Rodrigues
Foto: Guilherme Araujo