domingo, 13 de abril de 2014

DOMINGO DE RAMOS NA CAPELA NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO



Os atos da Semana Santa na Paróquia São João Eudes foram iniciados hoje, com celebrações eucarísticas nas capelas Menino Deus (Igreja Matriz), Santa Luzia e na Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Nesta às 9, 17 e 19 horas, com a das 17 horas sendo antecipada em meia hora, para a realização da procissão de Ramos.

Houve a bênção dos ramos feita pelo padre João Carlos, que logo em seguida comandou uma procissão pelas ruas do bairro Guararapes/Cocó, começando e terminando na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que fica localizada nas proximidades do  Iguatemi.]
De acordo com a informação do pároco Luís Gabriel, o restante da programação da Semana Santa na Paróquia São João Eudes é esta:

DIA 17 DE ABRIL
Quinta-Feira Santa: Tríduo Pascal Ceia do Senhora
Comunidade Menino Deus, às 18h30
Comunidade Santa Luzia, às 18h30
Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, às 18h30
Comunidade Nossa Senhora da Libertação, às 17 horas.
DIA 18 DE ABRIL
Sexta-feira da Paixão
Tríduo Pascal Paixão do Senhor
Comunidade Menino  Deus, às 16h30
Comunidade Santa Luzia, às 16h30
Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, às 16h30
Comunidade Nossa Senhora da Libertação, às 16h30
Solene Via Sacra Paroquial, às 18h30

DIA 19 DE ABRIL –SÁBADO DE ALELUIA
Tríduo Pascal Solene Vigilia Pascal
Comunidade Menino Deus, `|as 19 horas
Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, às 19 horas
Comunidade Santa Luzia, às 19 horas

DIA 20 DE ABRIL
Domingo de Páscoa
Comunidade Menino Deus, às 7 e 19 horas
Comunidade Santa Luzia, às 8 e 17 horas
Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, às 9, 17 e 19 horas
Comunidade Nossa Senhora da Libertação, às 17 horas


quarta-feira, 9 de abril de 2014

NA CRUZ, A SALVAÇÃO E A VIDA



    “Na Cruz, a salvação e a vida”. Quando li pela primeira vez esta frase fiquei maravilhado. É o lema episcopal de Dom Aloisio Lorscheider, que durante 22 anos se dedicou à Arquidiocese de Fortaleza, e que nos ajuda, de maneira direta, a entender tudo o que estávamos preparando no tempo da Quaresma e que estamos celebrando neste mês de abril.
     Como sabemos, o tempo da Quaresma nos propõe uma espiritualidade bem profunda. Celebramos os grandes mistérios de nossa fé. Foi uma longa caminhada de 40 dias de jejum, oração e esmola, que reflete a conversão íntima do nosso coração. Por meio de gestos externos mudamos nossas atitudes internas, o que será ponto de referência para restaurar a nossa vida. A palavra é restaurar, pela morte de Cristo na Cruz, toda a humanidade que encontra a salvação e a vida.
    Na cruz, o Senhor Jesus inclinou a sua cabeça e entregou o seu espírito para, posteriormente, ressuscitar. Esta é a plena certeza da nossa vida e finalidade da nossa salvação. Por isso, a Páscoa é o centro da vida cristã e dela se dá o sentido da nossa caminhada na construção do Reino de Deus. O mistério pascal, celebrado em toda Igreja, é o principal evento de toda humanidade. O Concílio Vaticano II expressava que: “... pelo mistério pascal da sua bem-aventurada Paixão, Ressurreição dos mortos e gloriosa Ascensão, em que «morrendo destruiu a nossa
morte e ressurgindo restaurou a nossa vida». Foi do lado de Cristo, adormecido na cruz, que nasceu o sacramento admirável de toda a Igreja.” (CONSTITUIÇÃO CONCILIAR SACROSANCTUM CONCILIUM SOBRE A SAGRADA LITURGIA N° 05).
   Na Sexta-feira da Paixão, o sacerdote ergue a cruz coberta por um tecido vermelho proclamando: “Eis o lenho da Cruz do qual pendeu a salvação do mundo”. E o povo aclama: “Vinde adoremos”. Na Sexta-feira Santa, a liturgia da Igreja celebra o mistério da cruz, fazendo-nos sentir o significado e o alcance dos  o frimentos de Jesus como Sumo Sacerdote da nova aliança: "Embora sendo Filho de Deus, aprendeu a ser obediente através de seus sofrimentos. E tornou-se a fonte de salvação eterna para todos que lhe bedecem" (Hb 5,8-9).
    Para Cruz erguida nossos olhos e nossos corações se direcionam como reconhecimento da salvação dada por Deus por meio do seu filho Jesus Cristo. A cruz é exaltada com reverência e silêncio, o reconhecimento dado por cada fiel quando adora o lenho da vida. Beijar a cruz é ter a plena certeza que nela está a salvação e a vida. A morte de Cristo, por mais dolorosa que seja, realiza toda a espera messiânica, porque o caminho da cruz é a maneira pela qual Deus revela seu amor e nos dá a vida. A vida em plenitude nos é revelada por meio da encarnação e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo.
    A morte de Cristo é um grande testemunho da verdade. “Conhecereis a verdade e a verdade o libertará” (Jo 8,32). O sofrimento do Senhor Jesus é o sofrimento de todo gênero humano que se deixou levar pelo pecado. Cristo assume toda a realidade humana exceto o pecado. Quando Jesus sofre na cruz toda a mentira é retirada e o homem conhece a Verdade de Deus. Esta Verdade de Deus é o “sangue derramado por muitos em remissão dos pecados” (Mt 26,28). Da cruz do Senhor emana a Verdade plena de Deus e em Jesus Cristo a verdade de Deus se manifestou inteiramente, porque Ele é a Verdade.
    Termino destacando este lema: “Na cruz, a salvação e a vida”! Porquanto, chegamos à salvação por meio da cruz de Cristo. A cruz dá sentido à nossa vida, pois por seu meio recebemos a Verdade de Deus. Esta verdade é que toda a humanidade se salve e reconheça o senhorio de Jesus. Deus não é alheio ao sofrimento humano; Ele se une a cada pessoa que sofre nas diversas esferas de nossa sociedade. Na nossa cultura, estamos mais identificados com o sofrimento dentro do nosso contexto latino-americano, mas na cruz se abre a liberdade e a escravidão do sofrimento dá lugar à vida.
    “Eu vim para que todos tenham vida e todos tenham vida plenamente” (Jo 10, 10). Assim, a missão é restaurar o Plano de Deus, recuperar a vida divina para a humanidade. Celebremos e nos alegremos pela vida dada por Deus, e pela salvação. Cristo dissipa as trevas do pecado com a coluna luminosa na noite do Sábado Santo. Os nossos corações recebem alegremente a grande graça do amor de Deus, por isso não podemos continuar da mesma maneira e sim mudar nossas atitudes. Encontremos a vida e a salvação dada por Cristo!

Pe. Cristiano Henrique de Sousa cjm.

Retirado do Jornal AveCor 19°Edição

quinta-feira, 3 de abril de 2014

PALAVRA DO PÁROCO: Abril - 2014

 

Queridos irmãos e queridas irmãs,
 
 
A Semana Santa se aproxima e com a celebração desta mais importante semana para os cristãos começamos o Tempo Pascal. Anualmente, a Igreja nos convida a viver
solenemente a Festa da Páscoa para rememorarmos os mistérios que nos deram vida nova, tornando-nos filhos e filhas de Deus (Prefacio I da Quaresma).
 
Apesar de festejarmos, a cada domingo, a Ressurreição do Senhor como atualização da Páscoa semanal, uma vez no ano celebramos, no Tríduo Pascal, o mistério da paixão, morte e ressurreição do Senhor (Sacrosantum Concilium). Jesus Cristo, que por amor a nós, da eternidade disse: “Aqui estou Senhor para fazer Tua vontade” (Sal. 39) e também, por amor a nós, entregou sua vida em sacrifício, em expiação dos nossos pecados, para nos libertar dos grilhões da morte, nos abrindo o caminho para a eternidade.
 
É por isso, amado irmão, amada irmã, que não podemos viver a Semana Santa como apenas mais uma semana, ou como um grande feriado. Pelo contrário, a Semana Santa é tempo para pararmos e contemplarmos, em atitude de adoração, a vida que nos foi ofertada. Por amor a nós foi que Cristo se entregou; porque quando abandonamos o Pai, Ele nos reconduziu por meio do seu Filho, entregando-o à morte, para que voltássemos a Ele e nos amássemos uns aos outros, como Ele próprio nos amou (Oração Eucarística VII sobre a reconciliação).
  
A cidade de Fortaleza atravessa uma onda de violência que nos apavora e que torna várias famílias vítimas do crime e da maldade de muitos corações, tirando-lhes a esperança, plantando terror e incerteza. Por isso, sintam-se, meus irmãos e minhas irmãs, convidados a celebrar esta Semana Santa como uma grande prece de pedido ao Senhor pela paz da nossa cidade, para que possamos viver, com tranquilidade e felicidade, a vida que Ele nos concedeu, “porque é para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1). 
 
Por ocasião da via Sacra, na sexta-feira Santa, queremos que te unas a nós para rezarmos os últimos momentos da vida terrena de Jesus em prol da paz de Fortaleza, para que o Senhor pacifique os corações e os façam voltar para Ele. Não queremos mais violência; queremos paz! E a verdadeira paz só nos vem do Senhor, o justo, o santo, o inocente, que se entregou por nós.
 Que Deus vos abençoe e lhes conceda uma santa Semana Santa, repleta de verdadeiros frutos de conversão. Meu abraço e minha benção!
 
 
Pe. Luis Gabriel Mendoza, CJM. Pároco.
 
 
Retirado do Jornal AveCor 19°Edição

Jornal Ave Cor - 19º Edição


quarta-feira, 2 de abril de 2014

Programação da Semana Santa

A Paróquia São João Eudes apresenta nesse mês a programação da semana santa, que ocorrerá nos dias 13, 17, 18, 19 e 20 de abril. As celebrações acontecerão em quatro comunidades que pertencem a área pastoral, são elas: Matriz Menino Deus, Santa Luzia, Perpétuo Socorro e Libertação. Veja abaixo a programação.



quarta-feira, 26 de março de 2014

CONGREGAÇÃO JESUS E MARIA COMEMORA 371 ANOS DE FUNDAÇÃO


A congregação Jesus e Maria comemorou, no Brasil,na Casa de Formação dos “Eudistas”, no bairro Luciano Cavalcante, com uma celebração eucarística, presidida pelo seu superior, padre Amado Ranega, os seus 371 anos de fundação.
 

Além dos sacerdotes “eudistas”, participaram da celebração 10 novos seminaristas, que foram apresentados pelo padre Luís Gabriel Mendoza, associados e amigos da Congregação, fundada por São João Eudes.
Na sua homilia, o padre Amado agradeceu a Deus pelo seu projeto executado por São João Eudes, com um grupo de amigos sacerdotes.

No final, teve um pequeno convívio dos padres com os presentes.
 

domingo, 23 de março de 2014

CAMINHADA PENITENCIAL DUROU DUAS HORAS


Foi realizada nesta manhã – das 7 às 9 horas – a Caminhada Penitencial, que saiu da Igreja de Nossa Senhora da Saúde indo até à Catedral, tendo à frente dom José Antonio A. Tosi Marques, arcebispo de Fortaleza, que foi o primeiro a colocar a cruz nos ombros, depois passou para os padres, seminaristas e terminou com os leigos.


De acordo com a informação dos organizadores do evento, a Caminhada deste ano levou um número infinitamente superior ao de fiéis do ano passado, que ocuparam grande parte da Praça da Sé, onde foi realizada uma celebração eucarística, presidida por dom José Antonio, seus bispos auxiliares – dom Vasconcelos e dom Rosalvo – e algumas dezenas de padres.




















HOMILIA

Dom José Antonio iniciou a sua homilia exaltando a cruz, na qual Jesus morreu para salvar o mundo e perguntou a todos se durante a Caminhada eles  haviam bebido água para matar a sede e  responderam que “sim”, “mas muita gente bebeu da água da reconciliação, se confessando. Os que não confessaram durante a Caminhada pode se reconciliar com Deus durante o período da Quaresma, que tem a duração de 40 dias”.  


sábado, 22 de março de 2014

DISTRIBUIÇÃO DE CESTAS BÁSICAS DO SERVIÇO DA CARIDADE EUDISTA


Na tarde deste sábado, o  Serviço da Caridade dos  Associados Eudistas,  iniciou a distribuição de cestas básicas às famílias carentes da Paróquia de São João Eudes , já cadastradas e visitadas  antecipadamente.

 
 

A entrega  foi feita, a partir das 15 horas, na Igreja Matriz (Menino Deus), no bairro Luciano Cavalcante, próximo à Câmara de Vereadores de Fortaleza, com atividades de evangelização e uma partilha fraterna, acompanhada de um lanche. 
 
 

PADRE CRISTIANO RETORNA À PARÓQUIA SÃO JOÃO EUDES




Depois de um ano servindo na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Salvador, que tem como pároco o padre cearense Marcos Studart, o padre Cristiano Henrique retorna à Paróquia São João Eudes, onde foi recebido com grande alegria pelos paroquianos.


O seu retorno como celebrante aconteceu na missa das 19 horas, em honra a São José, na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que fica nas proximidades do Shopping Iguatemi, que recebeu muitos devotos do santo, como também amigos daquele sacerdote, que é muito querido. Foram muitos os abraços. 
O padre Cristiano encerrou a celebração eucarística dando uma bênção especial aos "Josés", que participaram da Missa.